Sábado 16 Outubro 2021 - 9:07:53 am

O lançamento da sonda Hope reforça o poder suave dos EAU, intensifica o seu estatuto como berço do conhecimento e da inovação no mundo árabe

  • shutterstock_1912916197
  • jana-eda-hi-res (1)
  • photo-2021-02-17-12-25-25

ABU DHABI, 17 de Fevereiro de 2021 (WAM) - A missão bem sucedida dos EAU para a Marte reforçou o seu poder suave e o seu papel como núcleo de conhecimento do mundo islâmico, como era no passado, de acordo com especialistas académicos.

A Sonda Hope, lançada em Julho de 2020, foi enviada com sucesso para a órbita de Marte a 9 de Fevereiro, marcando a entrada do mundo árabe na corrida espacial global e colocando os EAU como a primeira nação árabe, e a quinta no mundo, a alcançar o Planeta Vermelho.

"A missão reforçou as aspirações científicas e económicas dos EAU como potência inteligente em transição e consolidou o seu estatuto de potência regional", disse o Dr. Narayanappa Janardhan, Investigador Principal da Academia Diplomática dos Emirados (EDA), em Abu Dhabi.

A política dos EAU de moderação, tolerância e empoderamento das mulheres já lhe serviu bem no estrangeiro, actuando como instrumentos de poder suave, acrescentou.

Os EAU ocuparam o primeiro lugar no Médio Oriente e o 18º lugar a nível mundial entre as nações mais influentes a nível de Soft Power no ano passado.

A este respeito, várias nações em todo o mundo estão a seguir este caminho, promovendo as suas culturas locais como na China, por exemplo, os Institutos de Confúcio que convidam estudantes de todo o mundo a estudarem na China e lançando canais de televisão para promover a cultura nacional.

O papel de Bollywood, yoga, biryani e chicken tikka masala actuam como instrumentos de poder suave para a Índia, explicou, acrescentando que o espaço é um instrumento diplomático do século XXI e que os EAU o estão a utilizar bem.

"Enquanto os Estados Unidos e a Rússia são parceiros-chave, os EAU expandiram a sua política 'Look East' para além do petróleo, comércio e expatriados para incluir aliados asiáticos na colaboração espacial DubaiSat-1 em 2009 e DubaiSat-2 em 2013 com a Coreia do Sul; a Índia lançou o primeiro nanosatélite dos EAU, Nayif-1, em 2017; o Japão ajudou ao lançamento do KhalifaSat em 2018 e da Hope Probe em 2020; e a China está a oferecer tecnologia 5G via satélite", explicou o Dr. Janardhan.

Outro perito afirmou que o sucesso da sonda Hope dos EAU demonstra a capacidade do país de mobilizar os seus recursos para se colocar na vanguarda da inovação espacial.

"A Sonda Hope demonstra não só as capacidades dos cientistas do país, mas também a sua capacidade de trabalhar para a realização de uma visão ambiciosa para a futura exploração espacial em benefício da humanidade", disse o Dr. Stephen Blackwell, Director de Estudos Estratégicos e Investigação no grupo de reflexão TRENDS Investigação e Assessoria em Abu Dhabi.

Ele salientou que os EAU já são conhecidos mundialmente pela sua utilização de tecnologias de nova geração no governo, nas empresas e na ciência.

O Dr. Blackwell explicou que o conceito de soft power está relacionado com a atractividade geral do estilo de vida, cultura e realizações de um país em todos os sectores.

As realizações, a força económica, a estabilidade social e a prosperidade, e as capacidades tecnológicas são outros factores importantes para melhorar o soft power e a reputação de um país. Ao destacar o progresso e demonstrar uma influência positiva, o soft power pode dar aos países um perfil global significativo, observou ele.

O Dr. Janardhan salientou que os programas espaciais dos EAU, especialmente a Sonda Hope, possuem também um apelo pan-árabe. "Invoca realizações árabes e islâmicas passadas em matemática e astronomia".

Arábia Saudita e Egipto tinham também estabelecido as suas próprias agências espaciais em 2018 e 2019, respectivamente.

A Arábia Saudita tinha estabelecido o operador de satélite pan-árabe Arabsat em 1976 e enviado o primeiro astronauta árabe para o espaço em 1985 com ajuda americana.

Os EAU estabeleceram o primeiro Grupo de Coordenação Espacial pan-árabe em 2019, encorajando 11 países árabes a desenvolverem "813", um satélite de monitorização da Terra "com o nome do ano em que a famosa Casa do Conhecimento Árabe atingiu o seu auge", observou o Dr. Janardhan.

Outros países da Ásia Ocidental encontram- se presentes nesta corrida como Israel, tendo agora capacidades de lançamento após o estabelecimento da sua agência espacial na década de 1980; o Irão lançou satélites com ajuda russa na década de 1990, depois lançou os seus próprios satélites depois de 2003 e passou a ter capacidades de reconhecimento espacial e a testar foguetes militares; e a Turquia entrou na corrida em 2018.

Traduzido por: Mohamed Eid Khedr.

http://wam.ae/en/details/1395302910864

WAM/Portuguese